quinta-feira, 26 de novembro de 2009

A LENDA DA SERPENTE

A origem da lenda da serpente sobre a cidade de ITAPEVA é incerta e precisa de dados concretos, lendas, contos populares, são transmitidas de geração a geração e progressivamente são acrescidos de detalhes curiosos conforme a época, costumes e pensamentos.

A origem da lenda teria sido baseada em uma versão indígena que explicava o inexplicável, através de símbolos e fantasias.

Na realidade seriam fenômenos físicos perfeitamente compreensíveis a luz da ciência e suas leis naturais, ITAPEVA possuiria um subsolo pouco consistente e em processo natural de mutação com camadas irregulares de rochas intercalados por zonas de areia, vazios e lençóis de água que mudam de curso, se interrompem, e se desgastam, ampliando áreas, provocando através dos tempos, pequenas depressões ou elevações na superfície.

No universo simbólico de pessoas puras, dotadas de cultura própria como a dos índios, tais fenômenos teriam sido revestido de uma outra interpretação mais arquetípica, mitológica e fantástica, exatamente como se verifica em relação ás tempestades, inundações, secas e elementos como o sol e a lua.
Segundo a versão indígena, existiria uma grande serpente no subsolo de sua aldeia (local da cidade de Itapeva) que se moveria de tempos em tempos ou a cada transgressão de algum elemento da tribo.
Assim como o trovão, interpretado como revolta colérica dos deuses, o movimento da serpente também funcionaria como “castigo”, se agitando sob o chão da tribo para assustar e ameaçar os que transgredissem as leis da comunidade.


OUTRA VERSÃO

Uma outra versão mais obscura e incompleta baseia-se num hipotético acontecimento dos primeiros anos da cidade.

Toda a sociedade em formação possui normas e regras de comportamento social, deveres e obrigações em funções da comunidade.

Nós, que vivemos nos fins do século XX, numa sociedade mais permissiva não imaginamos o rígido padrão de comportamento e convívio social dominante no século XVII ou XVIII, com suas leis silenciosas, verdadeira inquisição ao menor deslize ás normas estabelecidas.

Assim foi em relação a um fato ocorrido numa hipotética época em que se tornou público o relacionamento amoroso entre um padre (vigário) e a filha do coronel. A intransigência e intolerância vigente entre os representantes da sociedade não suportaram tamanha afronta á moral e aos bons costumes, sem se falar no sacrilégio que isso representava para os religiosos e a sua igreja.

A amante passou o resto de sua vida enclausurada numa fazenda distante, vindo a falecer anos mais tarde num asilo da cidade e o vigário excomungado e expulso de sua paróquia.
A relação que existe entre a trágica estória de amor e a lenda da serpente teria sido um veemente pronunciamento do vigário em seu ultimo dia na cidade.
Das escadarias da Igreja, diante de um público assustado, ele teria dito em altos brados que a maldade e a intolerância, contidas no subterrâneo da alma das pessoas poderia destruir tudo o que de bom elas teriam construído. Que todos evitassem a má palavra, a má interpretação, ou o mau pensamento, pois isso seria como o despertar de uma grande serpente, símbolo do mal maior que, incrustado no subsolo (coração) da cidade, um dia viria tomar espaço na superfície, destruindo tudo para que houvesse um novo começo.
Tudo o que foi escrito é mera especulação, não possuindo bases concretas ou fundamento histórico e foi baseado em historias fragmentadas, coletadas em conversas com pessoas antigas da cidade.

Vale observar que antigamente, sem os meios de comunicação de massa, como o radio e a televisão, as pessoas conversavam mais, a imaginação tinha um transito mais livre e as estórias corriam, se enriquecendo de detalhes.
Mas existe algo concreto que resta na ligação do imaginário popular e a realidade que é a eterna luta do bem e do mal que, afinal, rege todo o comportamento humano.
A lenda da serpente sob a cidade seria uma metáfora desse eterno confronto.



EDUARDO SILVEIRA GOMES


Embora a historia da LENDA DA SERPENTE em Itapeva passa de tradição e tradição em nossas raízes, foi o saudoso Eduardo Silveira Gomes cidadão este que foi filho de famílias tradicionais de nosso município e inteligente que era e com dinamismo difundiu o texto da lenda e fez com competência a ilustração da serpente, grande artista plástico que era Eduardo Silveira Gomes conseguiu despertar a sociedade Itapevense para esta lenda popular e nos dias de hoje graças a este magnífico trabalho elaborado por Eduardo Silveira Gomes todos os alunos de nossa rede escolar de Itapeva gosta que qualquer palestrante fale sobre este lindo tema , que a nós Itapevenses nos deixa orgulhosos de termos esta historia da LENDA DA SERPENTE , e qual o povo que não vive de uma lenda a nossa ITAPEVA tem a dela , este saudoso e grande artista plástico Eduardo Silveira Gomes nasceu em Itapeva no dia 29\10\l.95l era filho do senhor João Silveira Gomes ( janquinho ) grande mecânico em nossa cidade e da professora dona Wanda Rossi Silveira e foram seus irmãos Maria das Graças, Lucilene Silveira Gomes e João Gomes Silveira Filho.

Eduardo Silveira Gomes começa a ter grande paixão pelo desenho ainda pequeno, trabalhou muitos anos como desenhista e como projetista de marketing na antiga CESP ( Companhia de Energia Elétrica de São Paulo) , muito querido e requisitado pelo mundo artistico de nossa ITAPEVA , principalmente nas artes plásticas , propagou em nossa cidade com belíssimo desenho a famosa LENDA DA SERPENTE que faz parte dos contos populares de nosso município desde a FAXINA antiga , a morte colheu EDUARDO SILVEIRA GOMES prematuramente aos 43 anos de idade no dia 05\01\l.994 , partiu jovem e era um moço cheio de objetivos, sonhos e planos e jamais imaginaria que A LENDA DA SERPENTE que ele tanto gostava de falar se arrasta através dos tempos e hoje a LENDA faz parte de nossa história e por certo se alongara de geração em geração.........

Um comentário:

  1. eu acho que isso seria uma lenda para assustar a comunidade

    ResponderExcluir